top of page

O que são arquétipos e como sua marca pode conquistar mentes e corações

Atualizado: 6 de nov. de 2023

Há algo mágico nas marcas com as quais nos conectamos, não é? Sentimos uma afinidade tão especial, é quase como se fossem velhos amigos. Às vezes, vamos além e parece que as amamos de verdade.


Imagem com homens representando arquétipos do herói, explorador e criador.

Mas o que é que nos atrai tanto nessas marcas? O que as torna parte da nossa "família" ou nos faz ser leais a elas? Será que é por causa de anúncios brilhantes, designs incríveis ou algum truque secreto?


A resposta está mais perto do que você imagina: Arquétipos de Marca.

Neste artigo, vamos mostrar o que são arquétipos e como sua marca pode conquistar mentes e corações, ou seja, como você pode usar esses arquétipos para criar conexões duradouras e conquistar a mente do seu público de forma incrível.


Os 12 arquétipos de marca

Aqui estão os 12 arquétipos de marca nos quais iremos nos aprofundar em outros artigos ao longo dos próximos dias. Neste blog você já pode encontrar artigos sobre o Sábio, o Herói, o Rebelde e o Explorador.



Quadro com os 12 arquétipos de marca com personagens ilustrativos.

  • Inocente

  • Sábio

  • Herói

  • Rebelde (ou fora-da-lei)

  • Explorador

  • Mago

  • Pessoa Comum

  • Amante

  • Bobo

  • Cuidador

  • Criador

  • Governante


Como a Estrutura dos Arquétipos de Marca Constrói Marcas Emotivas


Embora todas as marcas, em essência, sejam entidades comerciais que estabelecem relações transacionais com os consumidores (oferecendo produtos ou serviços em troca de dinheiro), algumas marcas vão além. Elas conseguem criar uma conexão mais profunda, gerando lealdade e, em alguns casos, até mesmo um sentimento de amor.


As marcas que conquistam esse nível de afeto conectam-se de maneira especial com seu público, indo além do simples aspecto comercial. Aquelas que possuem um propósito de marca autêntico muitas vezes são as mais bem-sucedidas em conquistar os corações dos consumidores. De acordo com a Netbase, por exemplo, a Lego foi a terceira marca mais amada na Europa, com um total de 280.314 expressões de amor associadas a ela em 2017. O Business Insider detalha uma lista completa de 21 marcas nessa categoria.


Com certeza, você terá memórias afetuosas relacionadas a pelo menos uma ou duas delas. Talvez você tenha uma ligação especial com o seu Macbook, seja um fã incondicional dos tênis Adidas ou simplesmente não resista ao sabor e textura do sorvete Haagen-Dazs.


Foto ilustrativa de potes de sorvetes da marca Haagen-Dazs

Praticamente todas as marcas que você sente essa conexão especial foram cuidadosamente moldadas de acordo com um arquétipo bem definido, um conceito enraizado em décadas de pesquisa psicológica e com raízes na mitologia grega.

O psicólogo Carl Jung, que cunhou o termo no início do século 20, estava em ótima companhia, apesar de suas diferenças posteriores com Sigmund Freud.


Como a Emoção Humana deu Origem aos Arquétipos


Todos nós compartilhamos desejos humanos básicos, não são algo que aprendemos, mas sim inerentes à nossa natureza. São instintivos e têm raízes profundas em nossa ancestralidade. Tenho certeza de que você consegue se identificar com isso.

Esses desejos fundamentais correspondem a arquétipos específicos e são responsáveis por moldar nossas motivações e escolhas:

  1. Liberação > Arquétipo do Fora da Lei

  2. Poder > Arquétipo do Mágico

  3. Maestria > Arquétipo do Herói

  4. Intimidade > Arquétipo do Amante

  5. Prazer > Arquétipo do Jester

  6. Pertencimento > Arquétipo do Todo Homem

  7. Serviço > Arquétipo do Cuidador

  8. Controle > Arquétipo da Régua

  9. Inovação > Arquétipo do Criador

  10. Segurança > Arquétipo do Inocente

  11. Conhecimento> Arquétipo do Sábio

  12. Liberdade > Arquétipo do Explorador

É natural que esses desejos afetem cada um de nós de maneira distinta. Nossas preferências variam, afinal, somos todos únicos. O que é central para mim, como a busca pela Inovação, pode não ser o mesmo para você, que talvez valorize mais a Liberdade ou a Maestria.


Quando reconhecemos como certos comportamentos ou personalidades acentuam esses desejos, compreendemos por que algumas pessoas nos atraem mais do que outras, criando uma conexão emocional que varia de acordo com nossos próprios anseios e motivações.


Arquétipos - Especialistas em Despertar Desejos


Os arquétipos são a personificação viva desses comportamentos e desempenham o papel de um roteiro que nos permite atingir de maneira mais precisa desejos específicos com personalidades únicas.

Existem duas razões principais pelas quais é vantajoso associar sua marca a um arquétipo:

  1. Conexão: No cenário altamente competitivo de hoje, a maioria das marcas disputa em termos de recursos, benefícios e preço. Para evitar que sua marca seja percebida como uma commodity, é fundamental estabelecer uma conexão profunda com seu público.

  2. Diferenciação: Na busca por se destacar na multidão, as estratégias convencionais de diferenciação muitas vezes se esgotam, deixando poucas opções para os retardatários. As personalidades arquetípicas, por outro lado, oferecem um vasto leque de possibilidades. Elas não apenas são únicas, mas também têm a capacidade de se tornar inesquecíveis.

A eficácia dos arquétipos é notável


Uma vez que, por meio de histórias, arte, religião e mitologia, eles encapsulam padrões de comportamento universalmente compreendidos por todos nós de forma instintiva.


Explorando esses arquétipos e as características de cada um, é provável que você identifique traços familiares em você mesmo, em sua família e amigos. Pode ser aquele tio engraçado que age como O Bobo da Corte na festa de aniversário da avó, ou seu amigo que desafia o establishment, assumindo o papel do Fora da Lei no bar. Essas personalidades arquetípicas se manifestam repetidamente em nosso convívio.


Além disso, mesmo os arquétipos com os quais você não tem experiência direta ainda são reconhecíveis. Por quê? Porque eles estão pré-programados em nosso subconsciente.


Não costumamos identificar imediatamente um arquétipo específico quando observamos determinado comportamento, mas há uma compreensão instintiva que nos faz sentir uma sensação de familiaridade.


Devido à natureza instintiva dessa compreensão, somos capazes de nos conectar (ou, alternativamente, evitar) outras pessoas de maneira rápida e eficaz quando nos deparamos com esses comportamentos.


Imagem de uma mão estendida sob o desenho a traço de um cérebro flutuando.

Dado que esse reconhecimento está pré-programado em nossos cérebros, os arquétipos se tornam uma ferramenta incrivelmente valiosa para definir a identidade da sua marca e os traços de personalidade que ressoarão com o seu público-alvo.


Sabe, eu evito exageros, mas é quase como um atalho para compreender profundamente a mente do seu público. Qualquer marca que deseje algo além de relacionamentos puramente comerciais com seu público precisa considerar seriamente o uso dos arquétipos. É uma escolha simples e eficaz.

Há uma probabilidade significativa, cerca de 95%, de que um arquétipo de marca tenha conquistado você em algum momento.

Como é possível perceber, os arquétipos não são uma artimanha superficial para aumentar o sucesso. Eles têm bases sólidas na ciência.

Todos nós experimentamos ligações emocionais com certas marcas, mesmo que nossas interações com elas sejam essencialmente transacionais. A explicação para esse sentimento está enraizada na maneira como essas marcas se comunicam conosco, e elas conseguem isso por meio da aplicação dos princípios científicos dos arquétipos.

Embora o termo "arquétipo" não seja algo que ouvimos com frequência, é bem provável que tenha influenciado o que você carrega no bolso, na sua bolsa de ginástica e até mesmo o que estaciona na sua garagem.

De acordo com o professor de Harvard Gerald Zaltman ; impressionantes 95% de nossas decisões de compra são tomadas na mente subconsciente . Isso significa que marcas com uma forte personalidade arquetípica que se conecta emocionalmente com seu público têm uma enorme vantagem sobre a concorrência.


A estratégia de arquétipo de marca vai além da simples escolha de características.


Se a sua intenção é não ser apenas mais um negócio no mercado, competindo exclusivamente com base em preço, benefícios e recursos, então é fundamental estabelecer uma conexão mais profunda com o seu público.

Sua marca precisa adotar uma personalidade autêntica com um tom de voz distintivo.

Marcas menos experientes podem optar por selecionar algumas características que acreditam que seu público irá apreciar. No entanto, os arquétipos representam personalidades completas, com uma visão de mundo própria, uma perspectiva sobre a vida e crenças sólidas. Essa riqueza de características permite que as marcas estabeleçam conexões de maneira genuína, como se fossem seres humanos. Em outras palavras, se você deseja que seu público saiba quem você é como marca, sua marca precisa saber quem ela é. Alinhar sua marca o mais firmemente possível a um único arquétipo permitirá que a personalidade de sua marca pareça ainda mais familiar para seu público e permitirá que você se comunique com a consistência e a humanidade de uma pessoa real.


Os arquétipos de marca não visam agradar a todos,


como reza o antigo ditado: "Se você tentar agradar a todos, acabará não agradando a ninguém". As grandes marcas têm um foco bem definido.


Embora a tentação de incorporar características de vários arquétipos para expressar a singularidade da sua marca possa ser forte, é importante compreender as consequências de uma "identidade de marca confusa".


Conforme discutido no livro "The Hero and The Outlaw", uma análise revelou que as marcas com identidades arquetípicas claramente definidas aumentaram seu valor em 97% ao longo de seis anos, em comparação com as "marcas confusas" que incorporaram características de diversos arquétipos diferentes.

A moral da história? Saiba quem você é, saiba quem é o seu público e não tente agradar a todos. Tente ouvir mais o seu público e seu arquétipo será mais eficaz.

Mas,... quem representa o Arquétipo? O meu cliente ou a minha marca?


Os arquétipos, ao representarem todas as personalidades, são, na verdade, uma representação tanto do seu cliente quanto da sua marca.


O segredo está em identificar a personalidade do seu cliente e, em seguida, alinhar a sua marca com o arquétipo que mais ressoaria com os desejos desse cliente (embora geralmente sejam os mesmos, nem sempre é o caso).


Por exemplo, o seu público-alvo pode ser "O Homem Comum", mas você deseja que a sua marca atraia o "O Explorador" que existe dentro deles. Nesse cenário, a sua marca precisa estar mais alinhada com o arquétipo "O Explorador" e usar a personalidade e a comunicação para despertar o desejo de exploração.


Se gostou, curta e compartilhe (abaixo) esse artigo em suas redes.


Posts recentes

Ver tudo
bottom of page